Manifesto: eu não sou blogueira + conselho para quem quer escrever.

Eu não sou instagrammer, não sou influencer, podcaster, tik toker, blogueira ou youtuber.
Eu sou autora. Escrevo histórias em várias plataformas, passo minhas horas de trabalho lendo, estudando, trocando ideias com outros autores ou escrevendo. E em épocas “normais”, ou seja, sem pandemia, também visito escolas, participo de eventos, programas de tv, debates etc. 

Não tenho tempo e nem vontade de fazer dancinhas no tiktok, postar meu look do dia, fazer resenhas de livros, mostrar minha casa, o que ando consumindo, meu treino aeróbico, gravar e editar vídeos etc etc etc. Pra ser bem sincera, minha rotina é bem monótona para observadores, a movimentação toda acontece dentro da minha cabeça.

Uma rotina do barulho

O resultado disso são poucos seguidores nas minhas redes sociais, engajamento digital baixo. E quer saber? Eu não dou mínima pra isso.

Se você observar, os maiores autores, diretores e criadores de histórias da atualidade, vai poder notar que o número de seguidores deles é ínfimo perto da quantidade de livros, contratos ou bilheteria que arrecadam. Você também vai perceber que eles não dedicam seu tempo em criar conteúdo para essas redes sociais. Claro, há exceções, sempre há. O lance é que recentemente, alguém inventou que números de seguidores em rede social importa pra quem escreve aqui no Brasil. E lá se vão, horas de escrita e estudo para aprender a nova coreografia do momento, planejar um podcast, um canal e postar pelo menos um vídeo por semana, e mais: estudar marketing digital e ficar atualizado quanto as constantes alterações nos processos de entrega e distribuição de conteúdo on-line.  

Não quero soar ranzinza, eu apenas quero dizer que eu sou escritora! E sim, tenho twitter e instagram, adoro ver o que tá rolando, compartilhar algo da minha vida e conversar com leitores, mas não tenho tempo para entregas diárias. 
Agora vem a parte do conselho: escritor escreve. Escritor estuda, assiste coisas, pesquisa, reflete, procrastina, sai pra dar uma caminhada, se desconecta e até dança! Pra escrever melhor.

Em tempos de intolerância é bom que eu deixe bem claro: se você gosta de gerar conteúdo para rede social e também escreve, ótimo, continue assim. Este manifesto não é uma crítica para influencers escritores, é um ponto de exclamação no meio de um mercado que se perdeu olhando algoritmo.

Quem inventou que escritor tem que se preocupar com números em redes sociais, faça o favor de desinventar. 

 

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on skype
Skype
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro


Você pode gostar de...

Representatividade

A primeira personagem principal que escrevi e virou livro publicado, se chama Ludmila, e desde que ela surgiu na minha cabeça eu sabia que ela

Leia mais »

A ponta do iceberg

Às vezes precisamos de ajuda de clichês, ou seja, algo sem originalidade e comum, pra explicar um conceito. É por isso que recorri ao clichê

Leia mais »


Categorias