Microconto de quarentena > O Duplo

Doutor, escrevo para que saiba o motivo do meu sumiço. Algo de muito estranho e misterioso ocorreu na época quarentena. Relutei em contar com medo de que o senhor desconfie que agora padeço de um mal maior. Mas quero que saiba que apesar da estranheza dos fatos, me sinto bem melhor que antes.

Aconteceu que ao final do primeiro mês, me olhei no espelho e vi que dentro dos meus olhos outro ser me observava. Amedrontado passei a desviar o olhar de mim mesmo refletido. Mas pouco adiantou. Com o tempo aquele ser passou a habitar todo o meu corpo. Ele brincava com meus filhos, ficava mais tempo na cama para curtir o abraço quente de minha mulher e achava graça em se deitar na grama para ver estrelas. Ontem, me olhei no espelho e sorri, ao me ver totalmente transformado nele.

(Camila Piva – O Duplo)

Ilustração Aliya Chen.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on skype
Skype
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro


Você pode gostar de...

Representatividade

A primeira personagem principal que escrevi e virou livro publicado, se chama Ludmila, e desde que ela surgiu na minha cabeça eu sabia que ela

Leia mais »

A ponta do iceberg

Às vezes precisamos de ajuda de clichês, ou seja, algo sem originalidade e comum, pra explicar um conceito. É por isso que recorri ao clichê

Leia mais »

A criança real

A criança idealizada não existe. A criança real tem sentimentos como todos nós (adultos). Ama, odeia, sente inveja, inadequação, angústia etc. Está aprendendo a lidar

Leia mais »


Categorias