Representatividade

A primeira personagem principal que escrevi e virou livro publicado, se chama Ludmila, e desde que ela surgiu na minha cabeça eu sabia que ela era negra e teria o cabelo black power. Mila ganhou vida através das mãos da ilustradora Camila Nogueira.
A escolha da aparência da Mila sempre teve para mim um objetivo: REPRESENTATIVIDADE.

Mila, no livro, é fã da youtuber Julia Silva, que é branca, e como eu, tem cabelo liso. Personagens de cabelos lisos há muitas, inclusive no livro, a melhor amiga de Mila, tem cabelo liso.
Mas o lance todo é que além da temática do livro, eu quis, com a aparencia da personagem, mostrar que uma menina negra que sonha em ser YouTuber e é fã de uma, pode usar o lacinho que sua ídolo usava, mesmo seu cabelo sendo diferente, isso foi retratado apenas com as ilustrações.

Nesta história não tive o objetivo de falar sobre preconceitos de cor, eu só queria contar sobre uma menina passando por sonhos, frustrações, aprendizados, diversão e aventuras como qualquer criança, sem que sua cor fosse motivo para qualquer obstáculo. Como deveria ser, aqui na vida real.

Recentemente, aqui no Brasil, a pauta do racismo em relação aos cabelos de pessoas negras, veio ao debate público por conta de uma fala, racista sim, de um participante no BBB21. Foi isto que me motivou a escrever esse post, falar sobre representatividade e dar meu exemplo de como um autor pode ajudar na causa.

Quando alguém é racista com uma pessoa, ela está sendo com todas as outras que compartilham da mesma dor e angústia. As muitas “Milas e Milos” que existem por aí, devem ser respeitadas(os). Toda menina é uma rainha, e todo menino é um rei. Menos os/ as racistas. 😜

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on skype
Skype
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique por dentro


Você pode gostar de...

Representatividade

A primeira personagem principal que escrevi e virou livro publicado, se chama Ludmila, e desde que ela surgiu na minha cabeça eu sabia que ela

Leia mais »

A ponta do iceberg

Às vezes precisamos de ajuda de clichês, ou seja, algo sem originalidade e comum, pra explicar um conceito. É por isso que recorri ao clichê

Leia mais »


Categorias